BUSCA

Monitor revela expectativa de melhoria social no Brasil

compartilhe:


As embaixadas e consulados instalados no país, câmaras de comércio internacionais, empresas com controle estrangeiro e organizações multilaterais ouvidas na 4ª edição do Monitor da Percepção Internacional do Brasil se revelaram otimistas em relação à eficácia de políticas sociais implementadas pelo governo brasileiro. No entanto, manifestaram maior preocupação sobre o desempenho da inflação, o acesso da população ao crédito e a bens de consumo. Os dados foram apresentados na manhã desta quinta-feira, 16, pelo presidente do Ipea, Marcio Pochmann, e pelo técnico de planejamento e pesquisa André Pineli Alves. A coletiva pública ocorreu na Caixa Econômica Federal da Praça da Sé, em São Paulo.

Para esta quarta edição do Monitor, foram consultadas na segunda quinzena de maio – antes da divulgação do PIB do primeiro trimestre – 170 entidades, que responderam a um questionário com indagações sobre três campos: econômico; político, governamental e institucional; e social. Entre estes, o econômico é o que despertou menor percepção de otimismo. Na escala de -100 a +100, registrou +4. “Houve uma acomodação da percepção desses agentes em relação ao Brasil. O segundo semestre do ano passado foi atípico, com o país crescendo muito, inflação baixa e debate eleitoral. Esse grau de euforia sofre agora uma acomodação”, explicou Pochmann.

O destaque positivo ficou por conta da expectativa de redução da desigualdade de renda nos próximos 12 meses (evolução de 17 pontos para 28 pontos entre fevereiro e maio) e a expectativa sobre o percentual da população vivendo em condições de pobreza no mesmo período (aumento de 26 para 40 pontos no índice). “A impressão dos agentes internacionais, no entanto, é de que nos últimos 12 meses não houve aumento da efetividade das políticas sociais, elas continuam no mesmo nível, sem elevação da capacidade de atendimento”, disse Pineli.

Em comparação com a terceira edição do Monitor, de fevereiro, os resultados da nova pesquisa mostram crescimento da percepção de que o Brasil está mais influente em instituições multilaterais (como ONU, FMI e Banco Mundial), apesar de a expectativa de influência política na América Latina ter caído no mesmo intervalo (de 16 pontos para 12 pontos).

De acordo com a sondagem, 64% dos entrevistados responderam que esperam inflação de 5,5% nos próximos 12 meses – portanto, um resultado acima da meta de 4,5%. As impressões sobre condições gerais de crédito também registraram piora (recuo de -7 pontos em fevereiro para -14 em maio). Nesta edição, outras duas perguntas foram incluídas. Uma sobre a probabilidade de a inflação de 2012 ficar acima da meta de 4,5%. Dos consultados, 57% disseram que será maior que a meta.

Indagados se a estratégia do Banco Central de combater a inflação com elevação da taxa de juros e adoção de medidas macroprudenciais é correta e bem-sucedida, a maioria (76%) apontou que ela é certa, mas tem efeito limitado devido à natureza de parte das pressões inflacionárias, que advém da alta internacional das commodities.

Fonte: Portal do IPEA

RBCM. Laboratório de Investigação do Espaço da Arquitetura. Departamento de Arquitetura e Urbanismo. Centro de Artes e Comunicação. UFPE . Recife — PE. (81) 2126.7362