BUSCA

A expansão das cidades: Para físicos, centros urbanos médios crescem de forma mais rápida

compartilhe:


Um estudo internacional liderado por físicos dos Estados Unidos resultou em novos conceitos e fórmulas matemáticas que explicam como as cidades crescem. Realizado por um grupo do qual participa um físico brasileiro, José Soares de Andrade Jr., da Universidade Federal do Ceará, esse trabalho indicou que, em média, as cidades pequenas e médias crescem proporcionalmente mais e de forma mais rápida que as grandes e ainda apresentam maiores variações de crescimento entre si: duas cidades médias semelhantes, com a mesma população, podem ter destinos bem diferentes décadas depois, uma tendo ganhado mais gente e espaço e outra sem ter saído da estagnação. As grandes crescem de modo mais uniforme, com menos flutuações em torno da média de crescimento.

Esses resultados contrariam uma lei sobre a expansão demográfica urbana, conhecida como lei de Gibrat, segundo a qual todas as cidades cresceriam igualmente, não importando o tamanho. E podem ter implicações sociopolíticas, acredita Andrade, um dos autores do estudo que detalha esses achados na edição de 2 de dezembro na revista PNAS. “Por causa dessas variações sobre o crescimento da população, muito maiores nas cidades menores”, diz ele, “o estudo sugere que um plano de investimento em cidades pequenas estaria sujeito a mais riscos do que em uma cidade grande”.

A equipe coordenada por Hernán Makse, da Universidade de Nova York, criou um método próprio de estudar o crescimento das cidades. Inicialmente os físicos aplicaram malhas quadradas com unidades – ou células – de tamanhos variáveis sobre três áreas bastante diferentes entre si. A primeira área foi a Grã-Bretanha, com quase 200 mil quilômetros quadrados (km2) e 60 milhões de pessoas, coberta por uma malha com 5,7 milhões de células de 200 metros quadrados (m2). A segunda área escolhida foi o território contínuo dos Estados Unidos, de 7,4 milhões de km2, onde vivem 303 milhões de pessoas, dividido em 59,4 milhões de células de 2 km2. A terceira era ainda mais ampla: 53 países da África, com 30 milhões de km2 e 933 milhões de pessoas, cortados por 500 mil células de 7,4 km2. Os físicos aplicaram a malha sobre dois momentos – o início da década de 1980 e de 90, no caso da Grã-Bretanha, por exemplo – e deixaram o computador calcular as variações de população em cada célula por meio de uma técnica numérica chamada algoritmo de agrupamento de cidades (CCA, na sigla em inglês). Esse algoritmo, que eles próprios criaram, fornece a taxa de crescimento populacional e os movimentos de expansão, agregação ou divisão das cidades.

“A média do crescimento das cidades decresce à medida que as cidades crescem”, diz Andrade, que voltou para Fortaleza no mês passado, depois de trabalhar sete meses na Escola Politécnica Federal (ETH) em Zurique, na Suíça. O fato de não haver um valor típico para o crescimento das cidades caracteriza o que os físicos chamam de lei de potência, sem regularidades e variações claras como a altura das pessoas, que têm em média 1,65 metro, com 20 cm a mais ou a menos. Uma das consequências das leis de potência reveladas no estudo são as correlações de longo alcance: o crescimento das cidades de qualquer tamanho pode influenciar o crescimento de cidades bem distantes.

“A cidade e a expansão urbana podem ser analisadas por esse tipo de abordagem tipicamente positivista?”, questiona o demógrafo Roberto Luiz do Carmo, pesquisador do Núcleo de Estudos da População (Nepo) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). “Tenho a impressão de que não necessariamente. Será que as cidades da África podem ser tratadas da mesma maneira que as cidades dos Estados Unidos?” As cidades, lembra ele, refletem histórias e processos sociais de ocupação de espaço próprios. “O crescimento das cidades médias acompanhou o processo de constituição das grandes metrópoles brasileiras, mas apresentando aspectos típicos da urbanização brasileira, como a ocupação de espaços descontinuados em relação ao centro urbano com a finalidade específica de valorização dos espaços vazios.”

O estudo dos físicos chega em um momento em que o fenômeno da urbanização no Brasil e em outros países assume novos padrões demográficos e morfológicos, dando espaço para aglomerações urbanas mais dispersas, observa a geógrafa Maria Encarnação Sposito, professora da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Presidente Prudente. “A urbanização difusa pode ser uma explicação para as cidades menores crescerem mais”, diz Maria Encarnação, coordenadora da Rede de Pesquisadores sobre Cidades Médias (ReCiMe), com representantes de 14 universidades no Brasil, duas na Argentina e uma no Chile. “O que caracteriza a urbanização atualmente, do ponto de vista morfológico, é muito mais o conjunto de fluxos do que as continuidades territoriais”, diz ela, lembrando que na cidade de São Paulo, por exemplo, há mais ônibus para Campinas, a 100 km da capital, do que para bairros periféricos como o Jardim Ângela.

RBCM. Laboratório de Investigação do Espaço da Arquitetura. Departamento de Arquitetura e Urbanismo. Centro de Artes e Comunicação. UFPE . Recife — PE. (81) 2126.7362